Mulher DeAmor, Vale a Pena Sentir

Vale a Pena Sentir #2

Fazer acontecer

Quando falamos nos nossos sonhos sabemos que é algo que desejamos de forma intensa e que é importante para nós pois, aquilo significa uma realização pessoal bastante importante na nossa caminhada enquanto seres humanos, começam aqui as perguntas: como os vamos realizar, como chegar até lá, o que é necessário, que recursos necessitamos captar? As perguntas são imensas quando queremos que algo aconteça e produza efeitos.

Então é preciso parar, ter percepção real do que queremos e começar a desenhar um plano, pelo menos ter a ideia real do que necessitamos, e é tão natural ao longo desta etapa ouvir as vozinhas que temos dentro de nós a não querer avançar: os “ses”, “os não vou ser capaz”, “não tenho quem me auxilie nisto ou naquilo”, e é aqui que reside a chave do sucesso, na nossa mente, na capacidade de distinguir a nossa alma dos nossos medos, receios e formas dissimuladas de auto-boicote.

Como realizar os nossos sonhos, os nossos projectos sem desanimar, sem deixar pelo caminho a parte que se chama acreditar, quando partilhamos com alguém esta informação, existe sempre uma tentativa, pelo menos por parte das pessoas que gostam de nós, de tentar incentivar para colocar algo em prática, para materializar algo, mesmo não sabendo em que estágio de desenvolvimento a pessoa está, então quem tenta incentivar relembra consciente ou inconscientemente que é necessário aparecer um outcome, algo que se pressuponha ser o inicio, para daí se seguir um caminho, que eventualmente pode levar (ou não ao sucesso).

O fazer acontecer tem muito que se lhe diga, e é necessário uma dança de paciência, de motivação e de assertividade para perceber os caminhos, as decisões, o tempo de espera e o tempo de agir. A destreza com que conseguimos ultrapassar as dificuldades é sem dúvida uma ponte que leva à maturidade perante as adversidades.

Agarrar nos nossos sonhos e ter a coragem de lutar por eles, só por si, é um acto de valentia que a nossa criança interior agradece, pois estes desafios, permitem que esta criança se expanda e incentiva a criatividade interna, libertando mensagens para o nosso ego a informar que é bom crescer e ser adulto, aprender a navegar no mar da incerteza é, sem dúvida, algo que viemos aprender a fazer e não há outra forma de viver isto.

Temos que ter compaixão por todos, pelos que nos apoiam na caminhada e pelos que simplesmente se afastam, mas acima de tudo temos de ter por nós mesmos um amor e uma compaixão que permita errar e crescer em vez do errar e estagnar.

Sim é possível ter sucesso, sim é possível ultrapassar as vozes internas e externas que nos dizem de forma dissimulada que está na hora de desistir.

Fazer acontecer é o mote da vida para chegar mais longe, e quando te sentires a fraquejar, quando sentires as pernas trémulas, lembra-te que estás a crescer, estás a maturar, estás a fortalecer a fé que tens em ti mesmo. Quando sentires as borboletas na barriga lembra-te: é sinal que estás vivo!

Diana Faustino

Autora da Leitura do Útero Sagrado®, facilitadora do Curso Sacerdócio do Sagrado Feminino® e Consteladora Familiar Sistémica
Conhece mais sobre o meu trabalho: Facebook Diana Faustino 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *